top of page

As três Marias

Irmandade.

Unidas pelo sangue, amor e lágrimas. Sangue que alimenta as semelhanças, dá sensação de pertencimento a uma constelação. Amor que supera as diferenças, o estranhamento da contestação. Lágrimas que consolam as desavenças, o estremecimento da relação.


Irmandade.

Três Marias, cada qual no seu lugar no cosmo familiar. Cada qual com sua função na tessitura desses astros de diferentes grandezas. A vida inteira ligadas, alinhadas, alinhavadas. Fraternidade que torna a constelação um só corpo em um só espírito.


Irmandade.

Marias que despontaram aos poucos e foram criando luz própria. À mais velha foi concedido o dom da sabedoria – o conselho certo, revelador. Para a do meio foi reservado o dom da esperança – o alento místico, harmonizador. À que veio por último foi conferido o dom da afeição o abraço terno, consolador.


Irmandade.

Três Marias que nunca se chocaram, jamais disputaram espaço na formação estrelar. Complementares, souberam usar seus dons e enfrentaram, sempre juntas, as agruras da vida.


Irmandade. Maria do meio.

77 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

O Beco

2 comentarios


Invitado
05 sept 2022

Se quem escreve é a Maria do meio, e é tão inteligente e carinhosa, fico só a medir a envergadura das demais. Belíssimo! Parapenz, Rubem

Me gusta
Invitado
07 sept 2022
Contestando a

Obrigada meu caro! a inspiração é da Maria do meio, mas a escrita foi sendo burilada ao longo do tempo por esse mestre!

Me gusta
Publicações
bottom of page