top of page

GeeGee tela preta

Tinha comprado um computador doméstico da IBM (como eram chamados os PCs, na época) e a sensação de orgulho foi a de uma adolescente com seu primeiro soutien. Desembalei com todo o cuidado e o coloquei na mesa do escritório, já preparada para receber o equipamento mais moderno do momento.


A tela era um tubo grande em que, ao ligar o botão de energia, aparecia piscando um sinal cor de abóbora. Mas qual não foi a minha decepção - ele não fazia nada além disso: piscava, piscava, e nada de aparecer um local para eu digitar. O que fazer agora? Liguei e desliguei várias vezes, teclei todos os comandos que achei e nada. Comecei a ficar enfurecida – porque comprei essa porcaria se ela só pisca?


Passada a fúria resolvi pedir ajuda. Liguei para um amigo que era craque em tecnologia e expliquei o problema. Que mico! gargalhando, ele disse:

— É só introduzir o disquete de instalação do MS-Dos e do editor de textos MSX-Word.


Fingi que tinha entendido e que, lógico, fora uma distração minha. Lá fui à procura dos tais disquetes. Nada. Revirei tudo na caixa do computador, mas nem sombras de disquetes. Não tive outro jeito senão ligar novamente.

— Mas cadê esses disquetes? Não encontrei na caixa do computador, já revirei tudo!


Escutei mais uma gargalhada:

— Querida, você comprou a máquina, o hardware, mas faltou adquirir o software para que ele possa funcionar!


Hum? totalmente grego para mim essa linguagem. Me sentindo uma anta, lá fui eu com todas as instruções comprar o diabo do software e retornei para alimentar o Monstro Sagrado. Eureka! Para o meu delírio, aquelas letrinhas cor de laranja começaram a povoar a minha tela, de uma forma quase divina.


Comecei, então, a digitar minha dissertação de mestrado. Até o momento ela estava sendo redigida em uma máquina de escrever Facit, que eu achava ultra moderna. O grande avanço desse modelo é que ela tinha uma fita corretora para poder apagar os erros de digitação. Mas o pessoal acadêmico já estava começando a usar o computador e eu queria entrar nesse novo universo tecnológico, então quis acompanhar a nova onda.


Passei dias lá sentada, deslumbrada. Junto com o computador eu tinha comprado também uma impressora Epson, a coqueluche do momento. Ela era o que se chamava de impressora matricial, alimentada por um rolo de papel dentado, que se comprava em grandes caixas.


Feliz da vida, fui produzindo e corrigindo o meu texto. Nunca poderia imaginar algo que pudesse ser apagado e refeito assim, só apertando uma tecla delete. Aquela tela preta com letras abóbora passou a ser a minha melhor amiga, aquela que entendia o que eu queria escrever e, às vezes, corrigia meus erros de digitação automaticamente. Chegava até a colocar vírgulas quando achava que deveria!


Mas, mesmo que a parte da redação fosse hightech, escrever uma dissertação implicava em muita pesquisa bibliográfica, muita leitura. A minha nova amiga podia dominar perfeitamente o português, inglês e até outras línguas, mas não tinha cultura alguma – sua memória abrigava somente o que eu escrevia ou o que introduzia nela pelos disquetes. — Onde estavam os livros, as teses de colegas, enfim toda a literatura que eu tinha que consultar?


Infelizmente minha amiga não conversava com o resto do mundo, só comigo. Essa exclusividade era lisonjeira, mas... me obrigava a continuar frequentando a biblioteca da faculdade.


Terminada a primeira versão do material, lá fui eu com o que havia impresso e um disquete gravado, para entregar ao meu orientador. Sim, porque apesar de poder gravar o arquivo digitado em um disquete, não havia como enviar eletronicamente o material.


Estávamos em mil novecentos e oitenta e seis, ainda distante do dia em que a Internet se tornou acessível aos computadores por linha discada. Lembram-se daquele sinal irritante de discagem e a ansiedade de esperar a conexão? isso só aconteceu depois, em meados dos anos noventa. Muito menos o celular, que só apareceu no final de mil novecentos e noventa. Toda comunicação era feita pelo telefone fixo ou pessoalmente.


Depois de inúmeras revisões, cheguei à versão final e ao momento de montar a defesa oral da tese. Tinha que preparar um material visual, gráfico, para sustentar a minha fala. Para isso comecei a montar as transparências – isso eu teria que fazer à mão mesmo, pois não havia nenhum programa, nesse maravilhoso computador, que permitisse produzir alguma coisa semelhante. O que hoje fazemos em dois tempos usando o PowerPoint, era coisa de ficção científica. Folhas de acetato, canetas coloridas para retroprojetor e mãos-à-obra. E foi assim que consegui o meu título e uma dissertação encadernada, que passou a habitar a biblioteca.


Hoje, pensando nesse meu primeiro computador, me vem uma certa nostalgia de alguns prazeres que perdi, a partir do momento em que fui incorporando mais e mais tecnologia à minha vida.

Escrever à máquina podia ser mais trabalhoso, mas aquele som metálico das teclas e as folhas que iam se acumulando para revisão eram um sinal de que a produção estava caminhando. Parar um pouco para olhar a folha que estava na máquina, já meio preenchida, ajudava a organizar as ideias. O computador trouxe uma divisão temporal entre escrever e imprimir, provocando um distanciamento do autor em relação à sua produção.


O cheiro inconfundível do papel que saia dos mimeógrafos à álcool e transformava os slides de acetado em material impresso colorido, davam a sensação de criatividade estética, de uma produção quase artística, cuidadosamente elaborada.


Já as idas e vindas à biblioteca rendiam trocas de informações com colegas, um apoio mútuo para aqueles que tinham que passar por um momento estressante e solitário, como é a produção de um trabalho acadêmico.


Quatro décadas de evolução tecnológica se passaram. Para quem, hoje, ao se deparar com a tela preta, iria ao Google procurar ajuda para resolver o Launcher GeeGee com tela preta, tudo isso parece um relato da idade média. Mas posso dizer, tranquilamente, que valeu a pena viver essa época.


69 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

4 Comments


zenidanelon
Jan 19, 2022

O meu comentário para este post era mais ou menos assim:


Ana, o meu primeiro computador também foi um IBM e a minha primeira impressora também foi uma Epson. Isso foi em 1997, ano em que me aposentei da CAIXA. Na época, já existia a internet discada, que me dava mais stress do que prazer. Situação semelhante à televisão de antigamente, cuja imagem era apenas um chuvisco. Que bom que hoje temos internet de alta velocidade e TV com imagem via satélite. Viva a tecnologia!!!

Like
Unknown member
Jan 19, 2022
Replying to

Perfeito!! Boas lembranças, pois apesar de toda a facilidade de hoje perdemos também alguns prazeres, como comentei no texto. Obrigada pelo comentário, gostaria que você desse sempre sua contribuição e sugestão de outros temas, se quiser. Bj

Like

Guest
Jan 19, 2022

Sou super sua fã..

Adoro seu jeitode palavras, as vivencias!! Enfim..parabens( Viva Raul)

Like

zenidanelon
Jan 18, 2022

Ana Helena, estou adorando ler os teus textos. Vamos ver se agora funciona o meu comentário para eu poder te dar um feedback. Beijos.

Like
Publicações
bottom of page