top of page

Dança das cadeiras

Quem já foi criança há de se lembrar dessa divertida brincadeira, ainda popular nas escolas. Cadeiras são colocadas em número suficiente para os participantes menos um. A turma vai andando em volta, ao ritmo de uma música, e o objetivo é conseguir sentar assim que ela pare. Aquele que ficar sem cadeira sai do jogo. As cadeiras vão diminuindo até que reste uma só para a disputa final, em que será definido o vencedor.


O potencial de sucesso, nessa brincadeira, é medido pela presença de algumas habilidades: coordenação motora suficiente para agarrar uma cadeira vazia na hora certa; noção espacial para calcular onde se posicionar de forma a conseguir se sentar rapidamente; atenção ao menor sinal de que a música parou. Vence essa corrida o mais esperto e rápido, aquele que conseguir driblar os outros e tomar posse de um assento.


Assim como na Dança das Cadeiras, na corrida pela vida vence quem conseguir ser o mais vigoroso, ágil e competitivo, de forma a ultrapassar obstáculos e atingir o alvo, deixando os rivais para trás.

Comparação arriscada, principalmente por ser essa uma lógica bastante contestável. Posso afirmar, porém, que existe uma corrente antropológica amparando a tese de que conquistar a primeira posição na roleta da vida exige aptidão para o sucesso, e implica na eliminação dos concorrentes.

Antes que o leitor desista de continuar a leitura, acho melhor esclarecer a que corrida pela vida estou me referindo.


Trata-se da disputa pela fertilização de um óvulo, a que cerca de 300 milhões de espermatozoides se candidatam ao mesmo tempo. Nadam freneticamente em direção ao útero, numa corrida olímpica pela fecundação que terá, a princípio, somente um vencedor, capaz de gerar um novo ser humano.

Durante muitos anos, a medicina acreditou que a chave do sucesso para esse feito dependia da rapidez dos candidatos – quem “se sentasse na cadeira” primeiro seria o vencedor.


Estudos publicados na revista científica The Royal Society na década de noventa, porém, jogaram por terra essa teoria. Descobriram que o vencedor não é necessariamente o primeiro espermatozoide a chegar ao óvulo, mas o que for selecionado pela célula reprodutora feminina, por meio de quimioatraentes.


Mulheres dado uma reviravolta total, pois a escolha do eleito para a fecundação muda de protagonista: é uma seleção feita pelo óvulo, não pelo espermatozoide.

Fica aqui a pergunta: Será que vamos descobrir que as cadeiras também são dotadas de quimioatraentes e escolhem quem vai se sentar?

43 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

Comments


Publicações
bottom of page