top of page

O Tempo e o Ninho

Ato 1

O ninho tece a trama com projetos e sonhos.

Tempo em que o amor frutifica e quer germinar.

O ninho se habita e se fecha como um casulo.

Aconchega, envolve e protege a cria.

Tempo em que a ternura preenche todos os espaços da alma.


Ato 2

O ninho se abre para receber o sol da vida.

Tempo em que a cria floresce e quer se expandir.

O ninho se povoa de um vaivém da cria.

Se encanta com o burburinho da convivência.

Tempo em que a comunhão habita todos os espaços da alma.


Ato 3

O ninho se esgarça ao dar passagem ao tempo.

Tempo em que a cria se desembaraça e parte.

O ninho se encolhe e murcha.

Se abate e sucumbe ao vazio.

Tempo em que a nostalgia invade todos os espaços da alma.


Ato 4

O ninho se reinventa para dar sentido à longevidade.

Tempo em que resgata gravetos esquecidos pelo caminho.

O ninho se preenche com flores próprias

Se acalenta com a visão ao longe dos voleios da cria.

Tempo em que, finalmente, a plenitude completa todos os espaços da alma.

89 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

Roda Vida

Remanso

4 Comments


Ana Maria Rodrigues
Ana Maria Rodrigues
Feb 14, 2022

Emocionante, Ana. Imagens lindas.😘

Like
Unknown member
Feb 14, 2022
Replying to

Obrigada querida! Tentando sair um pouco do gênero crônica para algo mais introspectivo, emocional.. vamos ver. E as ilustrações são uma forma de expressão que gosto cada vez mais! Grande beijo e obrigada por prestigiar.

Like

Guest
Feb 14, 2022

A tua crônica me lembrou um trecho do livro Edwige, a inseparável, de Edgar Morin, onde ele relata:

"O ninho, o ninho: é assim que Edwige falava de nosso apartamento, ao qual se dedicou com tanto amor. Ela o havia arrumado e o mantinha com tanto emprenho que nosso mobiliário era para nós o equivalente dos gravetos, musgos e ramos dos ninhos de pássaros. O tempo todo ela fazia uma melhoria, um novo enfeite. Quando comprava alguma coisa para o apartamento, dizia: ‘É para o ninho’.


Parabéns!!

Like
Unknown member
Feb 14, 2022
Replying to

Tentativa #4.. ahahah Não conhecia esse texto do Morin, tão significativo! Obrigada por compartilhar. Esse tema me veio à cabeça depois de ler o post que a Ana Chapper colocou há alguns dias no grupo. A passagem da vida em atos é tão clara para mim, que a simbologia do ninho foi o que melhor descreveu os sentimentos envolvidos. Gostei de me aventurar por essa linha mais poética, apesar de não ter nenhum estilo, uma coisa muito rudimentar mesmo para quem conhece literatura. Mas acho que é por aí, se soltar um pouco e não ter receio das críticas. Adoro seus comentários e ficarei feliz com suas contribuições críticas sempre que achar adequadas. grande beijo!

Like
Publicações
bottom of page