top of page

Silêncio

Dia 01/03/2019 Vara criminal de instrução. A acusada, uma jovem colombiana, é conduzida a uma cadeira em frente ao defensor público designado.

— Seu nome completo?

— Maria Gomez.

— Endereço?

— Moro com minha patroa, a Sra.. Consuelo.

— Maria, Meu nome é Paulo Sampaio e fui designado para defende-la. Você está sendo acusada de morte com agravante de parentesco. Sabe o que isso significa?

Silêncio. Maria, cabisbaixa, olhar perdido. As mãos se contorcem, mas ela não profere uma única palavra.

O defensor muda de posição na cadeira, espera uns minutos e então volta à carga:

— Significa que você pode ficar muitos anos na cadeia. Para que eu possa te defender preciso que você me conte o que aconteceu naquela noite.

Silêncio. Com os olhos fundos e sem brilho, ela olha para o advogado. O rosto meio caído de lado, a boca contorcida e ela permanece calada.

O advogado se ausenta por alguns segundos para comentar o caso com a agente penitenciária:

— Acho que ela está ainda em grande choque, não tem condições de depor. Sugiro uma avaliação psicológica antes do julgamento.


Dia 18/03/2019 O Juiz entra na sala e dá início aos trabalhos. O processo envolve a morte de um bebê recém-nascido, no banheiro da residência da Sra. Consuelo.

Tomam seus lugares a promotoria, a defensoria pública e o juiz. Nas galerias, curiosos e estudantes de direito criminal que estão acompanhando esse caso, visto a repercussão que teve na mídia.

Com a palavra a promotoria, que chama os patrões de Maria para depor, e faz o mesmo rol de perguntas para cada um de uma vez.

— Maria está sendo acusada de ter dado à luz no banheiro da sua casa e ter matado o filho logo após o parto, por asfixia. Gostaria então que me relatasse como conheceu a acusada; como era o comportamento dessa moça; como foi a gravidez de seu primeiro filho; o que sabia a respeito dessa segunda gravidez. E, na sequência, foi fazendo as perguntas necessárias para montar o ambiente que completaria a argumentação para a condenação da ré.

Tanto o marido como a esposa relataram que a moça entrou para trabalhar e morar na casa por indicação de uma amiga deles; que era uma moça semianalfabeta, sem família; que dependia totalmente dos patrões e da vida que eles lhe proporcionaram na casa; que ficou grávida de um entregador de pizza do bairro e nem percebeu; que foi a patroa que notou, levou para fazer os exames, acompanhou o parto e acolheu o filho, deixando que ela continuasse a trabalhar e morar na casa; que a criança estava sendo cuidada por eles com todo o carinho; que nunca suspeitaram dessa segunda gravidez; que depois do acontecido ficaram chocados; que ela representava um perigo para a sociedade e até para o primeiro filho, que estava provisoriamente sob sua guarda; que a moça se mostrou um monstro, coisa que nunca imaginaram.


Em seguida veio o depoimento do médico que atendeu Maria, assim que os patrões a encontraram a criança morta na banheira e ela se esvaindo em sangue, desmaiada no chão. O laudo foi de morte por asfixia; a criança nasceu viva; estava enrolada em panos. Declarou que quando socorreu a mãe, ela estava desmaiada e que depois de voltar a si não conseguiu se lembrar de nada quando perguntada.


Diante desse quadro, o juiz solicita que a acusada se pronuncie antes da sentença. Maria, se levanta e, para espanto da defensoria, começa a falar, olhando para o chão:

— Peço perdão à Sra. Consuelo pelo que aconteceu; ela é uma pessoa boa; sempre foi boa para o meu filho; minha vida não importa; quero só pedir que ele seja criado pela Sra. Consuelo.


A defesa, mesmo ciente de que a condenação era inevitável, diante daquela figura encolhida e desamparada a seu lado, pede para que, antes da sentença, fosse ouvida a psicóloga que avaliou a acusada. O julgamento é adiado para que ela fosse citada.


Dia 25/03/2019 A defensoria pede que a psicóloga jurídica seja ouvida. Interrogada pela defensoria, ela declarou o seguinte: que Maria sofreu abusos na infância; que tem uma leve deficiência mental; que não teve mãe, foi criada pelo pai; que com 15 anos foi vendida pelo pai a uma mulher, que a trouxe para o Brasil; que veio para trabalhar na casa da Sra. Consuelo, em troca de moradia e comida; que não sabe como ficou grávida do primeiro filho; que a patroa havia deixado claro que não aceitaria uma segunda gravidez; que fazia todo o trabalho da casa; que a Sra. Consuelo é que levava e buscava seu filho na escola, era muito dedicada a ele; que ficava sozinha em casa, pois os patrões trabalhavam fora; que não recebia visitas; que a única pessoa que entrava na casa durante o dia era o filho da Sra. Consuelo, que vinha trazer as roupas dele para ela lavar; que não respondeu quem era o pai desse bebê, nem do primeiro filho;


Concluiu o depoimento argumentando que Maria sofria de despersonalização, um transtorno que torna a pessoa incapaz de ter emoções, como mecanismo de defesa contra traumas; que esse distúrbio pode acarretar surtos e transformar a experiência da pessoa em algo irreal; que Maria vivia em cárcere privado; que temia ser posta para fora da casa se tivesse esse filho; e finaliza afirmando que havia uma forte indicação de estupro.


Esse texto foi inspirado no filme Crimes de Família, do argentino Sebastián Schindel, baseado em uma história real.


28 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

Comments


Publicações
bottom of page