top of page

Baila comigo

Já cantava minha mui querida Rita Lee – Baila comigo, lá no meu esconderijo.

O meu, secretíssimo. Cheio de flores, perfumes, e tem as luzes do sol de uma tarde de outono. Raios que refletem nas frestas das cortinas voadoras na minha janela ao vento.


Uma janela para o infinito, dentro de mim. A partilhar com minha criança interior o gosto das balas de caramelo puxa-puxa compradas na estrada. A reviver o frisson dos primeiros corpo a corpo, nas aulas de dança da pré-adolescência. A sonhar amores ao som dos LPs na vitrola do quarto.


Nesse túnel do tempo, vejo as hortênsias do jardim, nas tardes ensolaradas de inverno, o telefone preto de parede no meio do corredor da casa, o DKW saia e blusa do meu pai, a coleção de livros da Agatha Christie da minha mãe.


E na hora H, me vejo de tranças brancas, bochechas coradas, deitada na grama do jardim a tomar banho de sol, à espera do lanche com pão doce, num eterno domingo.


E bailo.


A cadência me preenche com uma quentura gostosa, como aquela de um ventre em gestação. Lá, do meu esconderijo, como semente à espera da primavera, ouço um eco que reverbera no mesmo diapasão, e sai a bailar comigo, como se baila na tribo.

218 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

Casa mia

2件のコメント


luciliarchaves
2023年7月24日

Lembrei das férias na montanha! E certamente os devaneios eram melhores que os livros de Ágatha Christie. kkkkk

いいね!

ゲスト
2023年5月31日

Maravilhoso texto. Esse mergulho mágico nas lembranças de quem será sempre uma menina adorável nem que a vida a tenha transformado numa escritora admirável. G.P.

いいね!
Publicações
bottom of page