top of page

Panos de Prato

Ponto de ônibus, seis da tarde.

— Não quero, obrigada.

— Só pra me ajudar... preciso levar algum dinheiro para casa hoje.

— Não estou precisando de pano de prato, menino.

— Tá legal, mas sempre um a mais é bom. E tem o pessoal que mora com a senhora, né?

— Não, garoto, vivo sozinha. Olha, seus panos de prato são muito bonitos, mas já tenho os que preciso.

— Olha só, se gostou poderia dar de presente para alguém.

— Não quero dar presente para ninguém.

— Por que não? Minha mãe é quem faz e eu trago para vender. Aí poderia ajudar a gente, e todo mundo fica feliz, né?

— É verdade, mas não tenho para quem dar de presente.

— Não tem amigos?

— Não.

— Nossa, que triste... todo mundo tem amigos. Eu mesmo tenho meus amigos da escola, lá da rua...

— Quando você tiver a minha idade, vai ver que não é assim. Aos poucos eles te esquecem e você acaba sozinho.

— Sei não...mas a senhora deve ser uma boa pessoa, tá até conversando comigo...

— E nem sei por que estou conversando com você, não gosto de conversa.

— Ah! Taí, é por isso que os amigos fugiram, não conversou bastante com eles.

— Não tinha nada mais para falar.

— Uai, podia ter dito só que queria continuar amiga. Eu faço isso quando brigo com um amigo.

— Você é bem insistente, não? Não briguei com ninguém.

— Então por que eles não são mais seus amigos?

— Sei lá...

— Por que não pergunta pra eles?

— (...)

— Ainda bem que o ônibus está chegando, assim você para com essas perguntas.

— E os panos de prato? Não vai levar mesmo?

— Da próxima vez eu levo, vamos combinar assim?

— Beleza! Tô aqui todos os dias depois da escola. E agora a senhora já tem um amigo, né?

22 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

Comments


Publicações
bottom of page